O Futuro da Biblioteconomia

O futuro da biblioteconomia

As estratégias que priorizam o digital estão impulsionando uma mudança na forma como os bibliotecários podem apoiar a pesquisa.

  • Dalmeet Singh Chawla

As bibliotecas precisam se tornar mais fáceis de usar e atender à demanda de seus usuários por serviços digitais, de acordo com um novo relatório de pesquisa.

O relatório argumenta que a pandemia trouxe oportunidades para uma adaptação mais rápida ao fato de mais de 75% dos pesquisadores iniciarem sua busca por informações fora dos recursos oferecidos por sua biblioteca institucional.

Mais de 4.000 bibliotecários e usuários de bibliotecas baseados principalmente na América do Norte e na Europa responderam à pesquisa. Destes, 88% disseram que gostariam de um aplicativo que fornecesse acesso a serviços, recursos e conhecimentos de bibliotecários e bibliotecários em seus computadores, disponíveis para eles sempre que precisarem em todo o fluxo de trabalho.

Matthew Hayes, diretor administrativo da Lean Library e autor do relatório, diz que uma abordagem mais centrada no usuário na entrega de serviços de biblioteca será necessária no futuro.

A Lean Library, que foi adquirida pela SAGE Publishing em 2018, presta serviços comerciais a bibliotecas. Um de seus produtos é uma extensão de navegador que alerta os usuários quando eles acessam um material que está disponível gratuitamente em sua biblioteca.

Embora Hayes enfatize que os espaços físicos continuam importantes, o relatório defende uma estratégia digital para as bibliotecas. “O que está definitivamente muito claro é que as bibliotecas precisam ter uma presença digital muito atraente”, diz ele.

Com orçamentos limitados, os bibliotecários precisarão pensar estrategicamente sobre como compram conteúdo, o que compram e como podem disponibilizá-lo para os usuários, de acordo com o relatório. O investimento das bibliotecas em ferramentas digitais é menor do que a demanda dos usuários por elas, diz.

Um exemplo é a tecnologia para capturar palestras online. Estudantes economicamente desfavorecidos provavelmente terão dificuldade em acessar e usar tais ferramentas, sugerindo um papel para os bibliotecários na formação e assistência.

“Onde os bibliotecários querem correr riscos e ser inovadores, é muito claro que eles terão o apoio de seus patronos para fazê-lo”, diz Hayes. “Está claro também que ainda há um apetite real dos clientes para que os bibliotecários os apoiem. Eles não querem ser deixados à própria sorte.”

Jason Griffey, diretor de iniciativas estratégicas da Organização Nacional de Padrões de Informação dos Estados Unidos em Sewanee, Tennessee, que escreveu extensivamente sobre bibliotecas e tecnologia, diz que uma falha da nova pesquisa é que os pesquisadores que não usam suas bibliotecas não estão representados. .

Griffey diz que tornar alguns conteúdos apenas digitais terá ramificações. Por exemplo, mudar para apenas online pode resultar na perda do direito de uma biblioteca de arquivar ou compartilhar conteúdo que anteriormente, uma vez adquirido pela biblioteca, era compartilhável em formato físico, diz ele. “Até onde sei, [esses direitos] não se estendem a objetos digitais.”

Outra preocupação para Griffey é que muitas bibliotecas pagam regularmente pelo acesso contínuo ao conteúdo digital, o que pode resultar em um custo maior a longo prazo do que o preço único dos itens físicos. “O fato de as bibliotecas não terem os mesmos direitos digitais que têm fisicamente significa que esses orçamentos não são sustentáveis ​​a longo prazo”, diz ele.

Alterando funções

Uma tarefa adicional que os bibliotecários podem assumir é promover trabalhos de pesquisa publicados por pesquisadores em sua instituição, diz Hayes, observando que muitos pesquisadores que responderam à pesquisa sentiram que não era seu trabalho divulgar seu próprio trabalho.

“Os bibliotecários podem passar do gerenciamento do acesso às coleções que eles selecionam para o gerenciamento dos resultados de seus usuários”, diz ele. Essa proposta faz sentido em particular para artigos que estão disponíveis gratuitamente para o público em geral via acesso aberto, acrescenta Hayes.

Griffey concorda que o papel dos bibliotecários está mudando. O bibliotecário dos próximos 10 anos terá que ser muito mais versado em dados e avaliar sua validade, diz ele.

Por exemplo, eles precisarão explicar “como é que acreditamos nesse conjunto específico de informações e rotular outro conjunto de informações [como] desinformação ou desinformação”, diz Griffey.

Jessica Gardner, diretora de serviços de biblioteca da Universidade de Cambridge , no Reino Unido, cuja biblioteca usa o plug-in de navegador Lean Library, diz que há anos está claro que os usuários da biblioteca começam suas pesquisas iniciais em outro lugar. Mas “ferramentas que nos permitem abordar isso de maneira a facilitar a vida dos usuários de nossa biblioteca” nem sempre estiveram disponíveis, observa ela.

Para Gardner, os espaços físicos nas bibliotecas continuarão sendo importantes. “O físico e o digital importam”, diz ela. “Não estamos em um ponto em que é tudo uma coisa ou outra.”

Traduzido pelo Google Tradutor – Original em:

https://www.nature.com/nature-index/news-blog/the-future-of-librarianship

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.