Arquivo da tag: librarian

Diretor de Biblioteca – Estados Unidos

Este post tem a finalidade apenas de mostrar uma vaga de emprego nos Estados Unidos, recebida através da www.ala.org.

Mostra uma realidade bem diferente, uma condado de 43 mil habitantes possui seis bibliotecas secundárias rurais; 2 bibliotecas em Rock Springs; 1 biblioteca (sede)

A tradução foi realiza pelo Google Tradutor

A publicação original esta em: https://www.libraryjobline.org/jobs/10532/library-director

Diretor de Biblioteca
Sistema de bibliotecas do condado de Sweetwater
Green River, WY

Descrição do trabalho

O Sistema de Bibliotecas do Condado de Sweetwater (Wyoming) está procurando um diretor de biblioteca em tempo integral que será responsável pela administração e gerenciamento do sistema de bibliotecas.

Essa pessoa trabalhará em colaboração com o Conselho da Biblioteca e uma equipe dedicada de cerca de 48 membros regulares da equipe para fornecer serviços de biblioteca aos 43.000 residentes do Condado de Sweetwater por meio de seis bibliotecas secundárias rurais; 2 bibliotecas em Rock Springs; 1 biblioteca (sede) em Green River; e um Centro Comunitário de Belas Artes. O candidato escolhido será responsável pelas operações diárias da biblioteca, incluindo a representação da Biblioteca na comunidade, supervisão da equipe e gerenciamento da biblioteca.

O candidato ideal terá um MLS / MLIS de um programa credenciado pela ALA e cinco anos de experiência profissional em biblioteca com responsabilidades administrativas progressivas. Outros graus avançados relevantes podem ser considerados se combinados com ampla experiência apropriada na administração de uma biblioteca ou sistema de biblioteca. Excelentes habilidades de liderança e comunicação, uma perspectiva visionária, abordagens inovadoras para organização e solução de problemas, conhecimento das tendências e tecnologia da biblioteca e a capacidade de promover uma equipe coesa da biblioteca são essenciais.

Benefícios e informações adicionais de compensação

Esta posição isenta FLSA (Fair Labor Standards Act) tem um salário inicial de $ 89k por ano. Os benefícios incluem seguro saúde, seguro odontológico e oftalmológico, aposentadoria em Wyoming, férias pagas / licença médica e feriados.

Perca o Medo de Vender – Live

Vendas na GDI: papo certeiro e descontraído

Live no Instagram dia 21 de setembro, terça-feira, 18h10

Promovido pela Escola GDI

Escola de Negócios para Gestores de Documentos e Informação

Por que o medo de vender serviços de gestão documental?


Pablo Soledade recebe os convidados: Nelson Oliveira e Michelle Witkowski

No Instagram: @pablo.soledade

Curso de Vendas

Curso de vendas para arquivistas e bibliotecários
Inscreva-se gratuitamente!
MELHORE SEUS ARGUMENTOS DE VENDAS, E CONQUISTE CONTRATOS EM SERVIÇOS DE ARQUIVOS E BIBLIOTECAS
Link de inscrição gratuita: https://escolagdi.com/vendas-para-arquivistas-e…/
De 28 de setembro a 01 de outubro de 2021 um evento único sobre vendas na gestão documental!
Arquivistas e bibliotecários não sabem vender…
É o que revelou a pesquisa feita pela Escola GDI. 89% dos entrevistados demonstraram não conhecer ou não estar prontos para ter melhores resultados na área de gestão de documentos, a partir de processos estruturados de vendas, e argumentos matadores, que quebram diversas objeções na apresentação dos serviços e fechamento de vendas!
A verdade é que não aprendemos a vender. Sabemos os processos técnicos, mas não temos elementos suficientes para convencer um possível cliente para nos contratar…
E é sobre isso que vamos falar! Esse é um super treinamento imperdível para quem acha que pode melhorar argumentos de vendas ou quem ainda nem tem noção por onde começar a vender suas consultorias, serviços e produtos na área de gestão documental
Saiba mais em: https://escolagdi.com/vendas-para-arquivistas-e-bibliotecarios/

Seminário Bibliotecas Universitárias

SNBU 2020 está sendo preparado com toda a atenção, cuidado e dentro dos protocolos exigisdos pela autoridades locais para assegurar sua participação da melhor forma possível. O evento que já passou por 2 adiamos agora está com a data de realização mais que confirmada, de 7 a 10 de dezembro de 2021 no Centro de Convenções de Goiânia, em Goiânia-Goiás.

Em nosso site, você pode acompanhar as novidades referentes a programação científica, submissão de trabalhos, inscrições, lançamentos de livros e a parte comercial que contempla a feira realizada no evento. Faça um tour pelo conteúdo que preparamos com tanto carinho para você, nosso convidade desta importante edição.

Lembramos que o prazo para submissão de trabalhos foi prorrogado e está disponível até o dia 20 de setembro de 2021, se ainda não compartilhou sua pesquisa conosco, não perca tempo!

Inscrições:

https://qe.iweventos.com.br/site/snbu2020/inscricoes

A evolução do papel dos bibliotecários

Este post foi traduzido pelo Google Tradutor e retirado do site:

https://blog.pressreader.com/libraries-institutions/evolving-role-librarians-how-library-leadership-changing?utm_campaign=Project:%20Tofu&utm_content=172721418&utm_medium=social&utm_source=linkedin&hss_channel=lcp-52964

A evolução do papel dos bibliotecários: como está mudando a liderança da biblioteca?

Historicamente, as bibliotecas tratam apenas do acesso à informação, e os bibliotecários são os guardiões dos livros, registros e bancos de dados onde esse conhecimento é armazenado. Mas os tempos mudaram e a forma como acessamos as informações mudou completamente. Com o advento da era digital, o conhecimento se tornou mais disponível – e mais difícil de controlar. Hoje, a maioria de nós já tem informações disponíveis 24 horas por dia, 7 dias por semana.  

À medida que o propósito das bibliotecas evolui, também evolui o papel dos bibliotecários no século XXI. A função da comunidade das bibliotecas tornou-se tão importante – senão mais – do que seu trabalho como portais para o conhecimento. Os bibliotecários passaram a atuar como assistentes sociais, educadores de jovens, facilitadores da comunidade e até mesmo profissionais de marketing de mídia social – muitas vezes sem o treinamento, preparação e suporte adequados.  

Essas mudanças nas expectativas da liderança do bibliotecário só foram aceleradas pelos desafios do COVID-19. Hoje, bibliotecas e bibliotecários se encontram em um lugar de avaliação – se transformam junto com a sociedade, ou correm o risco de se tornarem obsoletos.  

Novos desafios para bibliotecários 

A transformação digital e as mudanças nas expectativas dos consumidores abalaram muitos setores legados, e as bibliotecas não são exceção. As obrigações de muitos bibliotecários cresceram muito além de seus requisitos originais de trabalho – especialmente durante o COVID-19. Para lidar com as demandas da pandemia, os bibliotecários atuaram como rastreadores de contato, implementaram e reforçaram novos protocolos de segurança e até  construíram EPIs  para profissionais de saúde!

Antes mesmo de enfrentar todos os desafios inesperados causados ​​pela pandemia, muitas bibliotecas descobriram que têm um papel crucial a desempenhar no enfrentamento da desigualdade em suas comunidades – especialmente no que diz respeito ao acesso à tecnologia e à informação. Alguns tomaram medidas para ajudar as populações vulneráveis ​​ou marginalizadas a acessar a Internet, como  oferecer Wi-Fi em seus estacionamentos ou emprestar tablets e laptops.  Outros chegaram até mesmo a atuar como abrigos de curta duração para populações desabrigadas – um papel exigente que poucos bibliotecários têm o treinamento especializado para apoiar. 

As bibliotecas também servem como ponto de contato social para muitas pessoas, especialmente aquelas que sofrem de isolamento social. Quando as filiais da biblioteca física fecharam durante os bloqueios de 2020 e 2021, alguns bibliotecários continuaram alcançando esses grupos vulneráveis, como os idosos, mais diretamente,  fazendo visitas domiciliares e deixando material de leitura.  

Junto com o acesso aberto à informação, a era da Internet introduziu algo mais sinistro: o surgimento de ‘notícias falsas’ ou desinformação. Muitas pessoas,  incluindo nós aqui no PressReader,  questionaram se os bibliotecários hoje têm uma nova responsabilidade de democratizar o acesso ao jornalismo de boa qualidade e promover a educação para a mídia. 

Treinando a próxima geração  

Esses são grandes sapatos a serem preenchidos – e embora a visão dos bibliotecários como líderes comunitários seja atraente, ela não se tornará realidade até que mudemos a forma como preparamos as pessoas para entrar na profissão. Como a maioria dos outros programas de pós-graduação, nenhum dos  principais programas de Biblioteconomia  oferece treinamento de liderança. Embora alguns bibliotecários tenham provado ser líderes incríveis naturalmente, essas habilidades devem ser parte integrante do treinamento para o trabalho, de modo que os profissionais entrem na força de trabalho prontos para apoiar as bibliotecas de amanhã.  

Isso pode significar o desenvolvimento de habilidades normalmente consideradas pertencentes ao mundo dos negócios, como  geração de renda e marketing.  Embora as bibliotecas possam não ter tido anteriormente oportunidades de estabelecer seus próprios fluxos de receita em favor do financiamento do governo, novas abordagens podem ser necessárias para que as bibliotecas continuem oferecendo programas sociais gratuitos e acessíveis – e garantam que suas comunidades os conheçam.  

Tempos de mudanças rápidas exigem pensamento ousado, novos líderes que possam imaginar e realizar o futuro de seu setor. Alguns chamaram isso de  ‘a busca do porquê’  – a filosofia de que todo grande serviço começa com uma compreensão profunda do  porquê seu público realmente precisa de você, em vez de começar com uma ideia prescritiva do que sua organização deve ser. É o tipo de pensamento que levou Howard Schultz a transformar a Starbucks em uma marca internacional multibilionária. Ao imaginá-lo não apenas como um lugar para vender café, mas como um terceiro lugar entre o trabalho e a casa, Schultz revolucionou a cultura do café na América do Norte. Se os bibliotecários começarem por entender as necessidades básicas de seus usuários e estruturarem suas bibliotecas e programação de acordo, eles podem ter um grande impacto na saúde de suas comunidades.  

Liderança bibliotecária de amanhã  

Embora o setor tenha demorado para se transformar, os tempos  estão  mudando e uma nova era da biblioteconomia está próxima. A American Library Association (ALA)  começou a oferecer  alguns cursos de liderança específicos para bibliotecários, e muitos bibliotecários e instituições com visão de futuro estão fornecendo inspiração para o futuro de nossa indústria.  

Na Biblioteca Pública de Princeton, o diretor Leslie Burger  liderou a construção de uma instalação totalmente nova  que realmente atendia às necessidades da comunidade, com novas adições ousadas, como uma cafeteria interna e programação avançada para adultos. Em 2016, a biblioteca chegou a ficar aberta a noite toda para a transmissão da eleição presidencial pela televisão, junto com uma discussão pública moderada por um cientista político.  

As Bibliotecas Sheridan, localizadas na Universidade Johns Hopkins em Baltimore, adotaram uma abordagem inovadora para a geração de renda, promovendo uma cultura de empreendedorismo em vez de burocracia. Os funcionários de todos os níveis são incentivados a  enviar suas ideias para projetos geradores de receita e são remunerados quando esses projetos são escolhidos. 

Algumas bibliotecas também estão adotando, ao invés de simplesmente tolerar, seu papel proeminente na saúde e bem-estar da comunidade. No Reino Unido, as  bibliotecas estão trabalhando de forma proativa contra o isolamento e a solidão , lançando programas que reúnem os clientes idosos em grupos ou criam conexões sociais entre os novos pais enquanto promovem a alfabetização das crianças. Algumas bibliotecas estão até estabelecendo salas de estar públicas como espaços sociais acolhedores e de livre acesso.  

Bibliotecas de 21 a st  século: a indústria em constante mudança 

Todos os aspectos do mundo em que vivemos foram transformados pela Internet e pela troca aberta de informações que ela facilita. Embora os bibliotecários certamente pareçam diferentes neste novo cenário, se eles estiverem dispostos a reavaliar seu papel em suas comunidades, eles podem estabelecer suas instalações como centros de conexão, educação e resiliência.  

A transição não será rápida ou fácil, e tanto os bibliotecários quanto as instituições que os treinam devem abraçar a mudança de braços abertos. Acreditamos que vale a pena o esforço. Se nossas bibliotecas estiverem à altura do desafio, podemos descobrir que o futuro parece ainda mais brilhante e emocionante do que imaginávamos.  

Você está pronto para reimaginar o papel dos bibliotecários como líderes comunitários? Baixe nosso relatório sobre O Futuro das Bibliotecas. 

Como montar um orçamento – Livro

O livro será lançado dia 20.09.2021 na Amazon Kindle, está com preço na pré-venda de R$ 9,99

Todo prestador de serviço ou profissional liberal tem esta dúvida: QUANTO EU COBRO?

Este livro dará dicas de como estabelecer o preço para seus serviços.

Foi desenvolvido na minha experiência como bibliotecário, mas serve para qualquer profissão.

Link para comprar na pré-venda:

https://www.amazon.com.br/Como-montar-or%C3%A7amento-dicas-bibliotec%C3%A1rios-ebook/dp/B09F3MG983/ref=sr_1_5?crid=3H1QK7PH3EEE0&dchild=1&keywords=como+montar+um+or%C3%A7amento&qid=1631360575&sr=8-5

Primeira venda, obrigado pelo apoio

Resolução CFB 240 – Bibliotecas Digitais

DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO
Publicado em: 08/07/2021 | Edição: 127 | Seção: 1 | Página: 195


Órgão: Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais/Conselho Federal de
Biblioteconomia


RESOLUÇÃO CFB Nº 240, DE 30 DE JUNHO DE 2021


Dispõe sobre os parâmetros a serem adotados para a estruturação e o funcionamento das bibliotecas digitais.


O CONSELHO FEDERAL DE BIBLIOTECONOMIA, no uso das atribuições que lhe
conferem o art. 15, alínea f, da Lei nº 4.084, de 30 de junho de 1962, e o art. 27, inciso XI do
Decreto nº 56.725, de 16 de agosto de 1965, resolve:

Art. 1º Esta Resolução dispõe sobre os parâmetros para a estruturação e o
funcionamento das bibliotecas digitais.


Art. 2º Para os fins desta Resolução considera-se:

I – biblioteca digital: coleções de recursos bibliográficos e informacionais
disponíveis para acesso local ou remoto em qualquer mecanismo por meio eletrônico,
destinada à consulta, à pesquisa e ao estudo;
II – coleção de recursos bibliográficos e informacionais:
a) os bancos e bases de dados contendo informações nato digitais ou digitalizadas, independentemente de serem desenvolvidas ou adquiridas pela instituição;
b) os repositórios digitais, incluindo os institucionais;
c) os bancos de livros digitais e objetos digitais, com ou sem serviços de empréstimo, devolução e reserva;
d) os bancos de livros digitais das editoras das instituições;
e) os bancos de livros digitais doados por terceiros ou produzidos por membros das instituições;
f) os bancos de acervos audiovisuais produzidos ou disponibilizados pela instituição;
g) os bancos de artigos, monografias, dissertações, teses, produtos e outros trabalhos acadêmicos produzidos pelos membros das instituições de ensino;
h) as hemerotecas digitais;
i) os bancos iconográficos;
j) os bancos de atos normativos;
k) os bancos de dados abertos de pesquisa;
l) os repositórios de eventos científicos;
m) os bancos de práticas educacionais abertas das instituições;
n) os repositórios de periódicos científicos;
o) os bancos de arquivos de áudios e vídeos produzidos pelas instituições;
p) os bancos de arquivos de manuais, tutoriais, apresentações, capacitações, cursos de extensão e afins elaborados por servidores das instituições.


Art. 3º Incluem-se entre os serviços desenvolvidos e ofertados pelo bibliotecário no âmbito da biblioteca digital:


I – o desenvolvimento de coleções, em consonância com as políticas da instituição;
II – a catalogação bibliográfica e de metadados;
III – a classificação e a indexação;
IV – a elaboração de resumos;
V – a construção de taxonomias e de vocabulários controlados;
VI – a normalização de trabalhos acadêmicos e de pesquisas;
VII – a disseminação seletiva da informação;
VIII – o serviço de referência virtual;
IX – a capacitação dos usuários quanto à busca, recuperação e uso da informação;
X – a divulgação dos produtos e serviços ofertados;
XI – o monitoramento de acesso remoto aos acervos, produtos e serviços para
polos de ensino a distância e de pesquisa;
XII – o gerenciamento do sistema de comunicação da biblioteca digital sobre os
empréstimos de publicação;
XIII – o gerenciamento das plataformas de redes sociais da biblioteca digital;
XIV – o mapeamento e gerenciamento dos dados estatísticos da biblioteca digital;
XV – o desenvolvimento de política de proteção das coleções e dados digitais.


Art. 4º As bibliotecas digitais observarão os seguintes parâmetros:

I – ser administradas por bacharéis em Biblioteconomia registrados no Conselho Regional de Biblioteconomia de sua jurisdição;
II – acervo atualizado e diversificado que atenda às necessidades da comunidade a ser servida;
III – oferta mínima de quatro produtos ou serviços elencados no art. 3º desta Resolução;
IV – cumprimento das normas e padrões biblioteconômicos no gerenciamento, curadoria e preservação de seu acervo, e na oferta de produtos e serviços;
V – possibilitar a emissão de relatórios de produção, com o nome do operador, data, horário e dados inseridos, excluídos e alterados;
V – adotar recursos de acessibilidade e de tecnologia assistiva;
VI – emprego de interfaces que atendam aos atributos qualitativos de usabilidade;
VII – acesso ininterrupto aos seus produtos e serviços.


Art. 5º Aplicam-se as disposições desta Resolução, no que couber, às bibliotecas
eletrônicas, virtuais, híbridas e polimídias.

Art. 6º A presente Resolução entra em vigor na data de sua publicação.


MARCOS LUIZ CAVALCANTI DE MIRANDA
Presidente do Conselho