Arquivo da tag: library

Libraries in the Cyber World – India

Libraries in the cyber world

Evento organizado pela Shivaji University College Librarian Associantion (SUCLA)

Inscrição gratuita

Será transmitida pelo ZOO, dia 29.03.2022 –

11:00 AM (Horário na India)

20:00 PM (Horario de Brasilia)

obs.: Não ficou claro ainda se as falas serão em inglês, mas é provável.

Workshop Libraries in the cyber world
Libraries in the cyber world

Dear Librarian and Library Professionals

Shivaji University College Librarian Association (SUCLA) and M. H. Shinde Mahavidyalaya Tisangi Library Department
Jointly organized One day National Workshop on “Libraries In The Cyber World Issues and Challenges ” on
29 March 2022 at 11:00 AMb

Keynote Address
Dr. Yuvaraj Jadhav
Dept. of LIS., Shivaji University, Kolhapur.

Resource Person
Dr. B. T. Sampath Kumar
Professor Department of LIS., Tumkur University, Tumkur

*The Link forRegistration https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdtTZNm1FWgSUfApuK5u36dPEjHtp3cnVyOHXyi4olcXZFl0g/viewform?usp=sf_link
Zoom Meeting Link
https://us05web.zoom.us/j/6045366540?pwd=TDd0TW0wM2o4UWxBSDBwZ2ZqQjBFdz09
Zoom ID – 6045366540 Password – 12345 Join the WhatsApp Group for Further Communication about Workshop

WhatsApp Group1 https://chat.whatsapp.com/INtNlDb4HYwJhEjkOx3eys
WhatsApp Group 2 https://chat.whatsapp.com/Ggsu7kh1MNiAJPj0OsxS2G
WhatsApp Group 3 https://chat.whatsapp.com/HyGHlO2WkLzD5Ca8ZwVxX8

*Shivaji University College Librarian Association (SUCLA) Jointly organised with M. H. Shinde Mahavidyalaya Tisangi

Licitação Livro Digital – PI

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO
PREGÃO ELETRÔNICO Nº 27/2021
(PROCESSO ADMINISTRATIVO N. 00011.008447/2020-50)
Torna-se público, para conhecimento dos interessados, que a SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PIAUÍ – SEDUC, com CNPJ nº 06.554.729/0001-96, por meio da Gerência de Licitação – GPCD, sediada na Av. Pedro Freitas, S/N, Centro Administrativo, Blocos D e F, CEP: 64018-900, realizará licitação, na modalidade PREGÃO, na forma ELETRÔNICA, com o critério de julgamento por menor preço do item, sob a forma de execução indireta, no regime de empreitada por preço unitário, nos termos da Lei nº 10.520, de 17 de julho de 2002, da Lei nº 8.248, de 22 de outubro de 1991, do Decreto nº 10.024, de 20 de setembro de 2019, do Decreto nº 7.746, de 05 de junho de 2012, do Decreto nº 7.174, de 12 de maio de 2010, da Lei Estadual nº 7.482, de 18 de janeiro de 2021, da Lei Estadual nº 6.735, de 23 dezembro de 2015, do Decreto Estadual n. 14.631 de 08 de novembro de 2011, da Lei nº 10.176, de 11 janeiro de 2001, da Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, da Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, da Lei nº 12.965,
de 23 de abril de 2014, da Lei nº 13.709 de 14 de agosto de 2018, das Instruções Normativas SEGES/MP nº 05, de 26 de maio de 2017 e nº 03, de 26 de abril de 2018 e da Instrução Normativa SLTI/MPOG nº 01, de 19 de janeiro de 2010, da Lei Complementar n° 123, de 14 de dezembro de 2006, da Lei nº 11.488, de 15 de junho de 2007, do Decreto n° 8.538, de 06 de outubro de 2015, aplicando-se, subsidiariamente, além da legislação federal acima, a Lei nº 8.666, de 21 de
junho de 1993 e as exigências estabelecidas neste Edital.
Data início de Acolhimento: 08/11/2021
Horário: 08:00
Data Abertura de propostas: 23/11/2021
Horário: 09:00
Data Rodada de Lances: 23/11/2021
Data da sessão: 23/11/2021
Horário: 09:00
Local: Portal de Compras do Governo Federal – www.comprasgovernamentais.gov.br (UASG: 925478)

  1. DO OBJETO
    1.1. O objeto da presente licitação é a escolha da proposta mais vantajosa para a contratação de empresa especializada que ofereça uma base de livros digitais para atender as necessidades dos alunos e professores, no formato de e-books, com a oferta de um acervo eletrônico com títulos de livros técnicos e em geral, com acesso online via WEB, ilimitado, para no máximo 30.000 usuários simultâneos, conforme condições, quantidades e exigências estabelecidas neste Edital e seus anexos.
    1.2. A licitação será realizada em único item.
    1.3. O critério de julgamento adotado será o menor preço total por item, observadas as exigências contidas neste Edital e seus Anexos quanto às especificações do objeto.

Termo de Referencia

Especificação:

Contratação de empresa que ofereça uma base de livros digitais para atender as necessidades dos alunos e professores, no formato de e-books, modernizando assim a forma de acesso à informação do seu público, com a oferta de um acervo eletrônico com títulos de livros técnicos e em geral. Acesso online via WEB, ilimitado, para no máximo 30.000 usuários simultâneos. A quantidade de livros no acervo digital seja de no mínimo 5.000 títulos – em função do número de alunos e das especificidades dos cursos e que no mínimo 90% dos livros sejam em português.

VALOR UNITÁRIO DE REFERÊNCIA POR USUÁRIO: R$ 2,18

Quantidade: 30.000 (Trinta Mil) acessos simultâneos mensais

Valor Estimado anual: R$ 784.800,00

Edital completo disponível em: https://www.seduc.pi.gov.br/licitacoes/

Salas de cinema e bibliotecas irão sobreviver?

Salas de Cinema e Bibliotecas irão sobreviver?

Com a volta das atividades “normais” os cinemas e bibliotecas precisarão investir em estratégias para atrair público.

Hoje em dia existem dezenas de opções para assistir filmes e séries sem sair de casa, desde a televisão aberta e gratuita aos diversos canais pagos, aplicativos de stream , DVDs e outros formatos de armazenamento de filmes.

Para quem gosta de ler também existem muitas publicações disponíveis em sites gratuitos, tipo dominiopublico.gov.br, aplicativos de leitura ou a compra de ebooks.

A grande questão é como incentivar as pessoas a saírem de casa, ou de uma área de lazer e irem ao cinema e a biblioteca enfrentando transito, gastos com transporte, tempo de deslocamento, etc.

As bibliotecas escolares ainda possuem um público “garantido”, naquelas modalidades onde o ensino presencial volte a acontecer.

O cinema possui a estratégia do lançamento, onde os fãs correm para assistir e poderem ser os primeiros a comentar, mas mesmo isto está desaparecendo pois os aplicativos estão fazendo tudo apenas em suas plataformas.

As bibliotecas já sofrem normalmente com a falta de recursos, ficando difícil oferecer novidades e lançamentos, bem como criar inovações.

Os dois ambientes precisarão investir em “criar experiências”, ambientes que atraiam por proporcionar atividades complementares que proporcionem algo além do ato de assistir um filme ou a leitura do livro.

As bibliotecas precisarão cada vez mais definir um “público alvo”, fica inviável tentar atrair todos os públicos, cada um tem as suas necessidades e preferências únicas.

A definição de um “público alvo” servirá como norteador no planejamento para a definição de acervo, serviços, ambiente, atividades, etc.

A concorrência  com as soluções digitais fará  que com só permanecerá existindo aquelas instituições  que forem capazes de inovar, não será possível apenas repetir experiências anteriores.

Acredito que o cinema e as bibliotecas sobreviverão, mas terão outros formatos e a chave da sobrevivência é a capacidade de criar novas formas de atendimento voltadas as necessidades de seu público.

A evolução do papel dos bibliotecários

Este post foi traduzido pelo Google Tradutor e retirado do site:

https://blog.pressreader.com/libraries-institutions/evolving-role-librarians-how-library-leadership-changing?utm_campaign=Project:%20Tofu&utm_content=172721418&utm_medium=social&utm_source=linkedin&hss_channel=lcp-52964

A evolução do papel dos bibliotecários: como está mudando a liderança da biblioteca?

Historicamente, as bibliotecas tratam apenas do acesso à informação, e os bibliotecários são os guardiões dos livros, registros e bancos de dados onde esse conhecimento é armazenado. Mas os tempos mudaram e a forma como acessamos as informações mudou completamente. Com o advento da era digital, o conhecimento se tornou mais disponível – e mais difícil de controlar. Hoje, a maioria de nós já tem informações disponíveis 24 horas por dia, 7 dias por semana.  

À medida que o propósito das bibliotecas evolui, também evolui o papel dos bibliotecários no século XXI. A função da comunidade das bibliotecas tornou-se tão importante – senão mais – do que seu trabalho como portais para o conhecimento. Os bibliotecários passaram a atuar como assistentes sociais, educadores de jovens, facilitadores da comunidade e até mesmo profissionais de marketing de mídia social – muitas vezes sem o treinamento, preparação e suporte adequados.  

Essas mudanças nas expectativas da liderança do bibliotecário só foram aceleradas pelos desafios do COVID-19. Hoje, bibliotecas e bibliotecários se encontram em um lugar de avaliação – se transformam junto com a sociedade, ou correm o risco de se tornarem obsoletos.  

Novos desafios para bibliotecários 

A transformação digital e as mudanças nas expectativas dos consumidores abalaram muitos setores legados, e as bibliotecas não são exceção. As obrigações de muitos bibliotecários cresceram muito além de seus requisitos originais de trabalho – especialmente durante o COVID-19. Para lidar com as demandas da pandemia, os bibliotecários atuaram como rastreadores de contato, implementaram e reforçaram novos protocolos de segurança e até  construíram EPIs  para profissionais de saúde!

Antes mesmo de enfrentar todos os desafios inesperados causados ​​pela pandemia, muitas bibliotecas descobriram que têm um papel crucial a desempenhar no enfrentamento da desigualdade em suas comunidades – especialmente no que diz respeito ao acesso à tecnologia e à informação. Alguns tomaram medidas para ajudar as populações vulneráveis ​​ou marginalizadas a acessar a Internet, como  oferecer Wi-Fi em seus estacionamentos ou emprestar tablets e laptops.  Outros chegaram até mesmo a atuar como abrigos de curta duração para populações desabrigadas – um papel exigente que poucos bibliotecários têm o treinamento especializado para apoiar. 

As bibliotecas também servem como ponto de contato social para muitas pessoas, especialmente aquelas que sofrem de isolamento social. Quando as filiais da biblioteca física fecharam durante os bloqueios de 2020 e 2021, alguns bibliotecários continuaram alcançando esses grupos vulneráveis, como os idosos, mais diretamente,  fazendo visitas domiciliares e deixando material de leitura.  

Junto com o acesso aberto à informação, a era da Internet introduziu algo mais sinistro: o surgimento de ‘notícias falsas’ ou desinformação. Muitas pessoas,  incluindo nós aqui no PressReader,  questionaram se os bibliotecários hoje têm uma nova responsabilidade de democratizar o acesso ao jornalismo de boa qualidade e promover a educação para a mídia. 

Treinando a próxima geração  

Esses são grandes sapatos a serem preenchidos – e embora a visão dos bibliotecários como líderes comunitários seja atraente, ela não se tornará realidade até que mudemos a forma como preparamos as pessoas para entrar na profissão. Como a maioria dos outros programas de pós-graduação, nenhum dos  principais programas de Biblioteconomia  oferece treinamento de liderança. Embora alguns bibliotecários tenham provado ser líderes incríveis naturalmente, essas habilidades devem ser parte integrante do treinamento para o trabalho, de modo que os profissionais entrem na força de trabalho prontos para apoiar as bibliotecas de amanhã.  

Isso pode significar o desenvolvimento de habilidades normalmente consideradas pertencentes ao mundo dos negócios, como  geração de renda e marketing.  Embora as bibliotecas possam não ter tido anteriormente oportunidades de estabelecer seus próprios fluxos de receita em favor do financiamento do governo, novas abordagens podem ser necessárias para que as bibliotecas continuem oferecendo programas sociais gratuitos e acessíveis – e garantam que suas comunidades os conheçam.  

Tempos de mudanças rápidas exigem pensamento ousado, novos líderes que possam imaginar e realizar o futuro de seu setor. Alguns chamaram isso de  ‘a busca do porquê’  – a filosofia de que todo grande serviço começa com uma compreensão profunda do  porquê seu público realmente precisa de você, em vez de começar com uma ideia prescritiva do que sua organização deve ser. É o tipo de pensamento que levou Howard Schultz a transformar a Starbucks em uma marca internacional multibilionária. Ao imaginá-lo não apenas como um lugar para vender café, mas como um terceiro lugar entre o trabalho e a casa, Schultz revolucionou a cultura do café na América do Norte. Se os bibliotecários começarem por entender as necessidades básicas de seus usuários e estruturarem suas bibliotecas e programação de acordo, eles podem ter um grande impacto na saúde de suas comunidades.  

Liderança bibliotecária de amanhã  

Embora o setor tenha demorado para se transformar, os tempos  estão  mudando e uma nova era da biblioteconomia está próxima. A American Library Association (ALA)  começou a oferecer  alguns cursos de liderança específicos para bibliotecários, e muitos bibliotecários e instituições com visão de futuro estão fornecendo inspiração para o futuro de nossa indústria.  

Na Biblioteca Pública de Princeton, o diretor Leslie Burger  liderou a construção de uma instalação totalmente nova  que realmente atendia às necessidades da comunidade, com novas adições ousadas, como uma cafeteria interna e programação avançada para adultos. Em 2016, a biblioteca chegou a ficar aberta a noite toda para a transmissão da eleição presidencial pela televisão, junto com uma discussão pública moderada por um cientista político.  

As Bibliotecas Sheridan, localizadas na Universidade Johns Hopkins em Baltimore, adotaram uma abordagem inovadora para a geração de renda, promovendo uma cultura de empreendedorismo em vez de burocracia. Os funcionários de todos os níveis são incentivados a  enviar suas ideias para projetos geradores de receita e são remunerados quando esses projetos são escolhidos. 

Algumas bibliotecas também estão adotando, ao invés de simplesmente tolerar, seu papel proeminente na saúde e bem-estar da comunidade. No Reino Unido, as  bibliotecas estão trabalhando de forma proativa contra o isolamento e a solidão , lançando programas que reúnem os clientes idosos em grupos ou criam conexões sociais entre os novos pais enquanto promovem a alfabetização das crianças. Algumas bibliotecas estão até estabelecendo salas de estar públicas como espaços sociais acolhedores e de livre acesso.  

Bibliotecas de 21 a st  século: a indústria em constante mudança 

Todos os aspectos do mundo em que vivemos foram transformados pela Internet e pela troca aberta de informações que ela facilita. Embora os bibliotecários certamente pareçam diferentes neste novo cenário, se eles estiverem dispostos a reavaliar seu papel em suas comunidades, eles podem estabelecer suas instalações como centros de conexão, educação e resiliência.  

A transição não será rápida ou fácil, e tanto os bibliotecários quanto as instituições que os treinam devem abraçar a mudança de braços abertos. Acreditamos que vale a pena o esforço. Se nossas bibliotecas estiverem à altura do desafio, podemos descobrir que o futuro parece ainda mais brilhante e emocionante do que imaginávamos.  

Você está pronto para reimaginar o papel dos bibliotecários como líderes comunitários? Baixe nosso relatório sobre O Futuro das Bibliotecas. 

Porque a Biblioteca não viraliza?

Porque a Biblioteca não viraliza?

Ouço sempre falar da importância da biblioteca e do bibliotecário, mas normalmente isto é falado por alguém que trabalha na área.

O livro deixou de ser a principal fonte de informação, as pessoas hoje acreditam mais em uma mensagem de Whatsapp.

Não conseguimos nos tornar necessários, quem avalia uma escola, Universidade, cidade, empresa pela sua biblioteca ou como da acesso à informação?

A mais de 30 anos se fala da importância do marketing na biblioteconomia, mas hoje em dia não conheço perfil ou canal sobre biblioteconomia, ou de quem se declare bibliotecário, com mais de 50 mil seguidores.

Normalmente o que viraliza sobre a nossa área são memes e piadas, uma biblioteca muito tecnológica, um relato sobre a crise do livro ou uma biblioteca criada na periferia por alguém quase analfabeto.

Esta incapacidade de se divulgar se reflete na falta de empregos e concursos.

Existem centenas de perfis e sites sobre a nossa área, mas fico sempre com a dúvida:

O problema está no marketing ou realmente estamos obsoletos?